Se todos os pais investissem com dedicação na infância de seus filhos, teríamos uma sociedade com adultos mais produtivos e muito menos crimes. Sim, há muitas pesquisas que apontam isso! A primeira infância (período que vai até os 6 anos de idade) é considerado um período estratégico.

Daniel Cerqueira, economista do IPEA, menciona uma ampla literatura consensual que identifica diferentes dimensões de problemas comportamentais que se iniciam na primeira infância e que podem persistir ao longo do tempo gerando um processo dinâmico com implicações até a idade adulta (Cerqueira et al, 2016).

Já ouviu falar da Curva de Heckman

James Heckman, Prêmio Nobel de Economia em 2000, ficou conhecido por seus estudos sobre o tema. Segundo ele, o investimento na primeira infância reduz a desvantagem social de crianças mais pobres em relação às crianças mais ricas. Heckman destaca que:

(1) desigualdade de experiências e de aprendizado na primeira infância produz desigualdade de habilidades, conquistas, saúde e sucesso na vida adulta;

(2) impactos adversos de recursos genéticos, parentais e ambientais podem ser compensados por meio do investimento em educação pré-escolar de qualidade, que desenvolve habilidades cognitivas e de personalidade, que, por sua vez, incrementam a produtividade do indivíduo; e

(3) investimento na primeira infância reduz o gap produtivo entre os indivíduos, reduz a necessidade de educação especial, aumenta a probabilidade de uma vida saudável, reduz a taxa de criminalidade e reduz os custos sociais agregados.

Cada dólar investido em educação pré-escolar de alta qualidade traz um retorno anual de 7% a 10% do investimento para a sociedade.

James Heckman

Com base em seus estudos, Heckman desenhou sua famosa Curva de Heckman, segundo a qual a taxa de retorno do investimento em capital humano (conjunto de habilidades da pessoa que a permitem gerar valor econômico) é significativamente decrescente no curso temporal de vida da pessoa (Heckman, 2006).

Gráfico- Curva de Heckman
Gráfico- Curva de Heckman

Ou seja, cada real investido na criança vale mais quando mais cedo é feito.

A importância de investir em educação

De acordo com um artigo publicado na revista Science, pesquisadores da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, liderados por Arthur Reynolds[1], acompanharam, durante 25 anos, cerca de 1,4 mil norte-americanos nascidos em bairros de baixa renda. Ao final das observações, descobriram que o contato dos estudantes desde cedo com um ambiente escolar de qualidade pode ter imensos impactos positivos na saúde, na qualidade de vida e no mercado de trabalho, entre outros aspectos.

No estudo, os alunos foram divididos em dois grupos, sendo um formado por aqueles que frequentaram a pré-escola aos 4 ou 5 anos e o outro por alunos que ingressaram diretamente no ensino fundamental, aos 6 anos. Uma característica comum entre os escolhidos como participantes do estudo era a boa aptidão escolar. Nos resultados, os alunos com vivência de pré-escola tiveram um incremento significativo em um conjunto amplo de aspectos socioculturais e de saúde até a vida adulta.

Portanto, pais, ao decidir ter filhos, reservem energia e dinheiro para investir nos seus filhos para melhor primeira infância possível. Será bom para eles, bom para vocês, e bom para a sociedade. Pré-escola de qualidade, aprendizagem de novas línguas, viagens culturais, são todos fatores que desenvolvem habilidades e elevam a qualidade da primeira infância e contribuem para formar um adolescente e um adulto melhor.


[1] Disponível em: http://science.sciencemag.org/content/333/6040/360.full.