Minhas filhas de 9 e 6 anos, me chamaram quando viram a MoMo no YouTube pela primeira vez. Mesmo elas já tento ouvindo falar sobre a MoMo na escola com outros colegas e que a MoMo está na internet fazendo outras crianças se matarem. 

Por que elas me contaram?

Primeiro por que elas têm medo de qualquer outra coisa estranha que apareça na internet ou na vida delas. Segundo, por que meu foco com elas é de sempre manter um canal de comunicação honesto, sobre qualquer assunto.

Por que a MoMo é um perigo?

Nas últimas semanas, todos nós vimos artigos, postagens frenéticas no Facebook e cobertura televisiva do ressurgimento do “desafio Momo” – uma tendência perigosa na internet que supostamente encoraja as crianças ao autoflagelação e até mesmo suicídio.

A internet é um lugar perigoso, e é importante estar ciente do que está nela, e por que e como seus filhos interagem com ela. No entanto, a maneira como falamos sobre isso, e educamos nossos filhos sobre isso, e compartilhamos notícias sobre ele, influencia diretamente a eficácia dos perigos da Internet, como o Momo.

Quer você fale ou não com seus filhos sobre Momo, lembre-se que eles estão conversando entre si. E é isso que eles ouvem e veem:

  1. Eles ouvem a lenda. Eles ouvem isso primeiro e com mais frequência porque é a notícia mais assustadora e, portanto, mais interessante, para se espalhar. Eles ouvem que Momo é um espírito maligno na internet, e que se você mandar uma mensagem para ela, ela lhe dará instruções, e se você não seguir as instruções, ela virá para sua casa e matará sua família. E, em seguida, Momo instrui você a fazer coisas ruins ou a se ferir. Esta história é quase sempre pontuada com uma imagem apressada da imagem do perfil “Momo” em um celular ou tablet. É corroborado com notícias, manchetes ou boatos sobre crianças reais que se mataram por causa de Momo.
  2. Eles ouvem que o Momo se esconde nos vídeos do YouTube que fazem as crianças se matarem. Isso geralmente se resume a: “Não assista ao YouTube Kids, há gente ruim lá que querem te fazer mal!”
  3. Eles estão o tempo todo nos observando. Eles veem a TV, post no Facebook (sobre o seu ombro), suas mensagens de WhatsApp. Eles vêem os pais mostrando as fotos do rosto “Momo”, perguntando “você já viu isso?”, e em seguida surtando quando a criança responde “sim”. Eles veem os pais com medo e cochichando sobre o assunto.
  4. Eles ouvem nos avisos, dos professores e outros. Não fale com ninguém na internet, eles podem te machucar! Não vá ao YouTube sozinha(o) ou de jeito nenhum! Na verdade, não use a internet! É perigoso!

Você já foi criança, como você reagiria a tudo isso naquela época? Não, não é diferente, eles ainda são crianças e nos controlamos o conteúdo que eles tem acesso. Confesse, você ficaria mais do que curioso com tanto mistério e proibição. Eu ficaria!

Pense como o predador da internet

Agora, coloque-se no lugar de um predador da internet. Você sabe exatamente do que as crianças têm medo. Você sabe que, se eles estão na internet, não é porque eles não ouviram falar sobre isso, é porque eles não acham que isso vai acontecer com eles.

Lembre-se, você já mostrou a foto da Momo para seu filho(a), perguntou para seu filho se já tinha visto e o pior de tudo: Você demonstrou medo!

Quando o predador diz a uma criança pela internet: “Eu sou Momo, posso te ver, vou até sua casa e mato sua família a menos que você faça exatamente o que eu digo”, eles farão o que quiserem. Eles concordarão em não contar a ninguém que estão falando com você. Eles vão dar informações pessoais. Qualquer coisa que o predator pedir.

Investigue e converse abertamente

Os perigos na internet irão sempre existir. Você terá um trabalho adicional e árduo: investigar, ler, estudar e conversar com outros pais.

Não diga aos seus filhos que a Internet é um perigo e proíba eles de usar. Explique os riscos e crie controles para isso. Existem várias formas de controle parental. A navegação dos nossos filhos não deve ser proibida, mas restrita. que eles não podem proteger, porque não é. Diga aos seus filhos que as pessoas são um perigo e que pessoas perigosas podem tentar usar a internet para enganá-lo. Mas você pode pará-los.

Você não está impotente. Não há demônios, fantasmas e/ou magia negra nos tablets e celulares. Há informações ruins e boas. Pessoas más e pessoas boas. Vídeos ruins e bons.

Converse abertamente com seus filhos.

Eu falei assim com as minhas filhas:

Momo não é um demônio, um monstro ou um fantasma. É uma ideia que as pessoas más usam para enganar outras pessoas, não demônios, não magia. Se você entender que é uma enganação, ninguém te fará mal.

pássaro mãe estátua

A imagem chamada “Momo” não é de uma pessoa. Eu vou te mostrar a foto original. Mas antes de mostrar deixe eu te avisar uma coisa, é assustador. É apenas uma estátua. Nunca esteve vivo. É uma escultura chamada “pássaro mãe” feita por um artista japonês. Uma pessoa má achou que era assustador (é mesmo), e decidiu usar a imagem para assustar crianças e pais.

Filhas, como vocês acessam o YouTube? Vocês não tem uma conta que criamos juntos para isso? “Sim”. Então, os videos que vocês vêem foram criados por alguém, por alguma pessoa real e criou uma conta igual a sua. Neste caso, é uma pessoa que quer fazer o mal. Não são demônios, ou espíritos do mal.

YouTube é igual o Netflix, se você começar a ver um vídeo que não gosta o que você pode fazer? Trocar de vídeo. Vocês não fazem isso?! Papai sempre fala a mesma coisa, e o que é: “Não falar com estranhos e pedir ajuda”. Viu filhas, vocês não tem por que tem medo.

Então, pais… no final do dia, a escolha é sua do quanto seu(s) filho(s) podem ou não acessar a internet e o quê. Crie regras, estabeleça rotina e principalmente participe, assista junto com eles.

Em breve eles terão que navegar pelo mundo por conta própria. E se tudo o que eles sabem é que é assustador, a vida usará o medo deles contra eles.

Ensine cautela e não medo. Informe de maneira estruturada, não assuste. Questione tudo que você ler, não engula. Entendido e inescrutável. Pronto.

A decisão de ter poder sobre isso é sua.