Viajar com os filhos pequenos é muito importante, e explorarei aqui 2 razões básicas. A primeira é que mudanças de ambiente geram novos estímulos e ajudam a criança a dar saltos de desenvolvimento. A segunda é que se trata de um momento precioso para os pais ficarem 24 horas com os seus filhos, pois isso é difícil de se fazer na rotina comum, com a competição da escola e do trabalho.

Estudos dizem que viajar desenvolve

Há alguns anos, li um estudo feito pela pesquisadora Emilie Snell-Rood, da Universidade de Minnesota, nos EUA, que me impressionou. A pesquisa mostrou que, ao mudar de ambiente, muitas vezes por causa da interferência humana, os animais acabavam ganhando cérebros maiores, desenvolvendo melhor capacidade cognitiva.

As conclusões dessa pesquisa vieram a partir da quantificação de uma vasta coleção de esqueletos do museu da Universidade de Minnesota. A pesquisadora escolheu 10 espécies de animais para medir as dimensões da caixa craniana, estimando o volume cerebral dos animais adultos. Considerando algumas espécies de roedores e de morcegos, os resultados mostraram que o cérebro de mamíferos que vivem nos subúrbios das cidades é cerca de 6% maior do que aqueles coletados em áreas rurais. Uma explicação é que, quando esses indivíduos migraram para a cidade, o cérebro deles ficou maior.

A hipótese é a de que o crescimento do cérebro aconteceu por causa de mudanças radicais no ambiente. Após a redução das florestas e o corte das árvores, passou-se a exigir mais do cérebro desses animais, que agora tinham que sobreviver em um ambiente completamente diferente para encontrar comida e abrigo. Somente aqueles que se adaptaram a essas mudanças resistiram e deixaram descendentes.

Como viajar impacta meus filhos

Encontrei novamente referência a isso no livro de Jordan Peterson, “12 Regras para a Vida”, em que menciona que pesquisadores descobriram que novos genes no sistema nervoso central começam a funcionar quando o organismo é exposto a uma nova situação. Esses genes codificam novas proteínas, que são os tijolos para novas estruturas do cérebro. Isso quer dizer que muito do que nós somos é ainda nascente, incompleto, no sentido físico mesmo, e não será colocado em prática pela inércia.

Eu comecei a perceber que meus filhos pareciam dar saltos de maturidade e de habilidades quando mudavam de ambiente por um tempo. Por exemplo, minha filha andou de bicicleta sem as rodinhas em uma viagem para o exterior. 

Viajei recentemente com os meus filhos para a praia. Nessa viagem acabei ensinando a eles sobre os planetas, estrelas e o movimento de rotação da Terra. O céu aberto e estrelado longe dos centros urbanos é magnífico para isso. Eles aprenderam a localizar Júpiter e Marte, visíveis durante a viagem, e passaram a procurar por eles no céu todas as noites. Minha filha já disse que vai ser astronauta!

Saia da sua zona de conforto

Exponha seus filhos a novos ambientes, a novas situações, a novas culturas, a novas línguas. E quanto mais cedo começar melhor, dada a maior plasticidade do cérebro na primeira infância.

Se isso não é motivo suficiente, aqui vai outra razão para viajar: viagens aproximam as famílias. É uma oportunidade de ouro para os pais ficarem em contato constante com os seus pequenos. É oportunidade de ensiná-los coisas novas, trocar experiências, jogar conversa fora, comer junto, dormir junto. Sem horário, escola ou trabalho para atrapalhar. 

Portanto, viaje com sua família e não leve mais ninguém. Simplesmente esteja com seus filhos 100%. Eles ganham e a família ganha!